As persianas.

O poeta que há em mim.

Depressão profunda
Que imunda o vale lacrimal
Solidão dos dias
Me sinto estranho

O sol longínquo
Frio e inverno
Insônia das noites
Olhos sem cor

Esperando
O alívio das horas
Passarem
Tarjeta preta sem sabor

As persianas me protegem
Do horror lá fora
Fecho meus olhos
Espero a passagem.

Ver o post original

Anúncios

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s