Grutas de Mira de Aire

Standard

img_3067.jpg

Em pleno Parque Natural da Serra de Aire, concelho de Porto de Mós, distrito de Leiria encontramos as maiores grutas do país. Descobertas em 1947 por moradores da região e consideradas umas das 7 maravilhas naturais de Portugal, as Grutas de Mira de Aire têm uma extensão de quase 11km, dos quais podemos visitar 600m.

img_3097.jpg

O passeio é feito em grupos e sempre a descer. São 683 degraus, que nos levam a 130m de profundidade, num percurso com várias paragens pelas diversas galerias realçadas por efeitos de luz que fazem sobressair as magníficas estalagmites e estalactites. Ao longo da descida podemos acompanhar o curso do Rio Negro que desce em cascata até ao Grande Lago, terminando em beleza a viagem. A subida de volta à superfície é feita de elevador, com um suspiro, esperando voltar outra vez para descobrir mais e mais, uma vez que os trabalhos de reconhecimento ainda não terminaram e novas galerias são descobertas com regularidade.

Aberto todos os dias, com preços de 6,80€ para adultos e 4€ para crianças. A não perder.

img_3145.jpg

 

Historial da Gruta

1947 – Os primeiros homens a entrar na gruta lançaram cordas grossas e, a pulso, desceram até uma pequena galeria. Avançando duas dezenas de metros, encontraram-se como que numa janela aberta sobre um precipício. O que existia em frente, a fraca luz do gasómetro não permitia ver com clareza. Algo como uma grande sala envolta na mais completa escuridão, fazia ecoar as suas vozes e o barulho das pedras que atiravam.

Alguns dias depois, voltaram com mais cordas e desceram à primeira sala onde a sua imensidão mal deixava perceber as paredes e estalactites que pendiam do tecto.
A notícia desta descoberta que não tinha paralelo em nada conhecido na região chegou até Lisboa donde acorreram espeleólogos que preparavam a formação de uma Sociedade Científica para o estudo das Grutas. Mira de Aire passou a acolher um grande número de espeleólogos e com eles conviveu. Muitos puderam visitar a nova gruta descoberta e as fotografias das expedições espalharam-se por toda a terra.

Através da exploração do fundo da sala e de algumas reentrâncias nas paredes, descobriu-se o segredo para a continuação da gruta, uma abertura num patamar acessível apenas por uma estreita e escorregadia vereda ao longo da parede, baptizado de “Púlpito”.
Para lá deste encontra-se uma rampa muito íngreme que dava lugar a um poço com cerca de 20 metros de profundidade, o 2º Poço.

570360960_h1.jpg

1949 – A construção de um guincho de madeira que desenrolava uma corda de sisal com 30 metros permitiu aos espeleólogos vencerem este poço, sendo as descidas posteriores efectuadas através de escadas, primeiro com cabos de aço e degraus de madeira, e depois com degraus de latão.

Na base deste tinha inicio um percurso de mais de 500 metros, denominado “Galeria Grande” e com uma topografia e paisagem variada. Neste trajecto pode-se observar a “Fonte das Pérolas”, as “Galerias do Polvo”, o “Órgão”, e o “Rio Negro” que dava acesso ao “Areal” no fundo da Galeria Grande.

934696346_h2.jpg

Anos 50 e 60 – Campanhas mais prolongadas exigem a criação de acampamentos no interior da Gruta. Destes foi possível chegar até ao “Sifão das Areias”, “Concha” e “Labirinto” até que foi descoberto o “Poço Final” podendo assim poder ser elaborado o primeiro levantamento topográfico da Gruta.
O desejo de mostrar esta maravilha da natureza ao público começava a crescer e para que todos pudessem apreciá-la, foram projectados e construídos centenas de metros de estrados e escadas de madeira, desde a entrada, até perto do Sifão das areias.
Anos 70 – Com vista ao novo aproveitamento turístico da gruta, com melhores condições de conforto e segurança constitui-se a Sociedade que faz a sua exploração desde a Sala Grande até às partes principais da Galeria Grande. A abertura ao público faz-se a 11 de Agosto de 1974.

3128726861_h4.jpg

2007 – Uma expedição da Sociedade Portuguesa de Espeleologia entra na Galeria do Rio Negro, aproveitando a baixa do nível das águas, e consegue acrescentar mais de 1Km de novas galerias que se dirigem ao interior do Planalto de S. Mamede ao traçado total da Gruta.
Esta Gruta (Moinhos Velhos) juntamente com a Gruta da Pena e a Gruta da Contenda faz parte de um grande sistema de galerias com mais de 11 Km. Durante os Invernos chuvosos, as águas deste sistema juntam-se às águas da nascente do Olho de Mira e Regatinho, inundando assim a grande depressão fechada (Polje Mira-Minde) existente entre as povoações de Mira de Aire e Minde.

3423399859_h3.jpg

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s