12 de junho – Dia da independência das Filipinas

Em 1380 os Makdum, de origem árabe, foram os primeiros indivíduos a chegar ao arquipélago e formaram o que depois se transformou em um poderoso território islâmico, e que exerceu uma influência relevante durante os séculos seguintes. Por sua vez, o explorador português Fernando de Magalhães atracou na ilha em 1521 e reivindicou o território em nome de Espanha. No entanto, foi assassinado pelos chefes locais, que se opunham a suas pretensões. A Magalhães seguiu-se o navegante espanhol Ruy López de Villalobos, em 1543, que batizou estas terras como Filipinas em honra ao rei Felipe II e as deixou sob o seu domínio.

Em 1898, com o início da Guerra Hispano-Americana, o general Emílio Aguinaldo se aliou extra-oficialmente aos Estados Unidos, retornando às Filipinas e reiniciando as hostilidades contra os espanhois. Em junho os rebeldes já haviam conquistado todo o território do país, com exceção de Manila.

No dia 12 de junho de 1898, Aguinaldo proclama a independência da Espanha e inaugura a Primeira República Filipina. Nem Madri tampouco Washington, no entanto, reconheceram a independência do país. O domínio espanhol sobre as ilhas só terminou oficialmente com o Tratado de Paris de 1898, no qual a Espanha cedia as Filipinas e outros territórios aos Estados Unidos. A Guerra Filipino-Americana eclodiria pouco tempo depois.

O herói nacional das Filipinas, o linguista, escritor, artista, médico e cientista José Rizal iniciara um movimento de reforma. Ao mesmo tempo, uma sociedade secreta anti-colonial chamada Katipunan, chefiada por Andrés Bonifácio, começou a revolução, dando aos espanhóis a desculpa que precisavam executar Rizal, que se encontrava em exílio em Dapitan, Mindanao, no sul do país. Ele foi trazido a Manila para julgamento e condenado à morte, embora não se tenha prova de sua participação na revolta.

Congresso Revolucionário das Filipinas, em Malolos
Congresso Revolucionário das Filipinas, em Malolos

A sua morte, porém, estimulou ainda mais a Revolução Filipina, que havia se iniciado em agosto de 1896, com a descoberta da Katipunan pelas autoridades espanholas. O movimento é mescla do separatismo e governo paralelo que se havia espalhado pela maior parte das ilhas.

Numa reunião popular em Caloocan, os líderes do Katipunan se organizaram num governo revolucionário, e declararam abertamente a revolução armada por toda a nação. Bonifacio convocou um ataque coordenado à capital, Manila, que fracassou. Mas províncias vizinhas se insurgiram, em especial os rebeldes de Cavite, liderados por Aguinaldo, conquistando vitórias significativas.

Uma disputa de poder entre os revolucionários levou à execução de Bonifácio em 1897 e a passagem do comando para Aguinaldo, que passou a liderar seu próprio governo revolucionário. Naquele ano uma trégua foi alcançada mediante o Pacto de Biak-ns-Bato. Aguinaldo foi exilado em Hong Kong, todavia, as hostilidades entre rebeldes e o governo espanhol jamais cessaram.

Bandeira Filipina
Bandeira Filipina

Historiadores acreditam que as Filipinas foram colonizadas no paleolítico, quando um povo asiático atravessou por meio de pontes de madeira o caminho que leva à região. Descobertas mais recentes parecem indicar que as ilhas podem ter sido habitadas desde a era pleitocênica.

A primeira grande corrente migratória chegou a essa região através do sul. Acredita-se que esses imigrantes eram de origem indonésio-caucasiana. Posteriormente ocorreram mais duas grandes correntes migratórias. Cada nova corrente impediu os habitantes originais de procurar terra ao norte. A corrente migratória seguinte, cujo apogeu ocorreu no final do século XIV, proveio do reino madjapahit, trazendo consigo a religião muçulmana.

Fernão de Magalhães, navegador português a serviço dos reis da Espanha, descobriu as ilhas no século XVI, ali introduzindo o cristianismo. Os primeiros povoados ocidentais permanentes na ilha de Cebu decorreram da expedição de Miguel López de Legazpi em 1565. Mais tarde os espanhóis estabeleceriam a era da colonização que duraria três séculos. Foram os espanhóis que fizeram de Manila, a partir de 1571, a capital da colônia.

Em 10 de dezembro de 1898, os Estados Unidos adquiriram da Espanha por 20 milhões de dólares as Filipinas por intermédio do Tratado de Paris, levando o país a ser dominado por Washington por 48 anos. Após uma guerra por sua independência que durou cerca de três anos e outra, pelo mesmo motivo, que durou cerca de quatro anos, derrotadas nas duas guerras, Filipinas se converteu numa colônia dos Estados Unidos, que impôs seu idioma e cultura nas ilhas. Finalmente, em 4 de julho de 1946, depois da II Guerra Mundial, os Estados Unidos concederam a Filipinas uma independência mais formal que real.

Contudo, as Filipinas lutaram junto à bandeira norte-americana contra o Japão na II Guerra Mundial. A heróica batalha de Bantam impediu o avanço das tropas japonesas em direção à Austrália.

Os norte-americanos tentaram mudar em 1946 o dia da independência das Filipinas para 4 de julho, dia da independência das Estados Unidos. Queriam que os filipinos acreditassem que fora Washington a proporcionar a independência filipina. Contudo, a história era outra. Antes de os norte-americanos ali aportarem, os filipinos haviam conquistado pelas armas a sua própria independência da Espanha. Desse modo, a festa de independência do país continua a ser comemorada em 12 de junho.

Podem acompanhar tudo aqui:
https://filipemiguel.blog

Anúncios

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s