Amor na praia

Eu amo praia!
Eu adoro praia!
Estamos no verão e hoje o dia está quente. Está mesmo a convidar uma ida até à praia.
Vesti um calção e uma t’shirt, calcei uns chinelos, agarrei numa toalha de praia e estava praticamente pronta para ir, só faltavas mesmo tu. E era tudo o que eu precisava.
Tu vestiste aquele biquíni novo que compraste à poucos dias atrás. Como ele te fica a matar, até parece que foi feito de propósito para ti. E como é belo o teu biquíni novo. Gosto tanto dele que só me apetece despir-to. Não, não estejas já a pensar que eu não gostei do teu biquíni, porque eu gosto mesmo dele de verdade, mas ele dá-me cá uns desejos, umas vontades e uns arrepios pela espinha que nem te conto, não te conto agora, conto-te mais à frente.
Por cima do teu novo biquíni, vestiste aquele teu vestido branco transparente que eu tanto adoro ver no teu corpo. Mas ainda não tinhas tudo pronto. Foste buscar o chapéu de sol e o corta-vento à arrecadação. Depois foste buscar uma lancheira onde lá dentro colocas-te água fresca, algumas frutas e umas bolachinhas. No teu saco de praia colocas-te a tua toalha de praia, protector solar e um livro, sim um livro. Ambos gostamos de ler, mas hoje, sim hoje meu amor, a nossa leitura vai ser certamente outra, mas veremos mais à frente o que pode vir a passar.
Finalmente estávamos prontos, arrumamos tudo dentro do carro e lá fomos nós.
Escolhi a minha praia, aquela praia selvagem que é menos frequentada que as outras praias, mas muito melhor para se estar e maior clima de cumplicidade.
Chegámos, procurei uma zona mais afastada, montamos o “acampamento”, sim eu sei que estou a exagerar.
Apenas abri o chapéu de sol, coloquei o corta-vento. Não estava vento nenhum, mas assim estávamos mais à vontade. Despi a t’shirt e tu o teu vestido branco de uma forma tão doce e sedutora que só tu sabes fazer. Protegemos os nossos corpos com o protector solar, sim é muito importante protegermo-nos do sol. Pegas-te no livro e eu disse: Hoje a leitura, a história somos nós que a vamos fazer. Eu vou ser o teu livro e tu o meu! Sim, hoje somos nós os protagonistas principais da história.
Hoje vou ler-te toda! Vou ler-te de uma ponta à outra. De cima para baixo e de baixo para cima. Vou ler-te de todas as formas possíveis e imagináveis.
Ficas-te a olhar para mim com uma expressão facial tipo, este gajo deve estar doido, ou então é do sol a bater na mioleira.
Começamos a ler-nos através do olhar.
Sim, através do olhar!
Haverá lá melhor começo de leitura?
O beijo, o nosso beijo bem escaldante e molhadinho, foi um bom início para a nossa leitura. As minhas mãos percorrem todo o teu livro (corpo) e as tuas o meu. Os nossos beijos de leitura!
Quase que me esquecia de dizer que a nossa leitura de hoje era em braille. Nós somos mais à frente, lemos com as mãos e a boca.
Começamos por nos beijar, mordisquei a tua orelha esquerda, depois a da direita, desci pelo teu pescoço, as nossas mãos tinham vida própria, não paravam quietas.
Ups, ficaste sem a parte de cima do teu biquíni, mas claro que primeiro certifiquei-me que não havia ninguém por perto.
Beijei o teu pescoço, desci até aos teus seios, fui beijando a subida do teu seio esquerdo e quando cheguei ao cume dele, ao topo mordisquei-o, desci-o a beijá-lo, subi ao teu seio direito beijando e mordiscando-o no final.
Levantei a cabeça sob o corta-vento e Ups, ficaste sem a parte de baixo do teu biquíni.
Desci a beijar a tua barriga e só parei na fonte do desejo, na gruta do prazer. Não, não parei de te beijar, não parei de trabalhar com a minha língua na fonte do prazer.
Tu! Tu contorcias-te cheia de desejo, cheia de tesão.
Oh, já ardias por dentro, num impulso ficaste por cima de mim, querias comandar e como comandas tão bem.
Navegamos nas nossas ondulações, escalamos pelas tuas montanhas, descemos e subimos e no final fomos até à tua gruta.
No fim, estendemo-nos na areia a descansar, depois de uma merecida ida ao banho.
E digo-te com todas as letras que existem. Esta foi a melhor leitura que eu alguma vez tinha vivido.
Sim, eu amo a praia!
Gosto de te amar na praia!
Gosto de te amar em qualquer lugar. Porque felizmente para te amar não existe lugar específico.
Amo-te em qualquer lugar, em qualquer ocasião e de qualquer forma.
Vamos amarmo-nos!

Filipe Miguel

Podem acompanhar tudo aqui:
https://filipemiguel.blog

Amor na praia

Anúncios

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s