Ir para conteúdo
Anúncios

A vida gosta de me atirar ao chão

A vida gosta e vive atirando-me ao chão. Talvez agora esteja a começar a entender que aquilo a que chamamos de rasteira, sejam apenas ensinamentos da vida. São parte de um misto de coisas que são realmente necessárias para o nosso crescimento enquanto pessoa. São aprendizagens!
Mas ainda tem aquelas coisas que são apenas consequências das nossas atitudes e das nossas escolhas, mas que na hora da queda nos esquecemos.
Todas as quedas, rasteiras, tombos e tropeços da vida, são aprendizagens para nos levantarmos com mais força ainda. Porque tudo nesta vida é uma imensa e uma intensa aprendizagem!
Não importa como caímos. Importa é como nos levantamos.

Tudo é uma questão de sabedoria e leveza de espírito.
O nosso olhar pode transformar tudo em vitórias ou em derrotas, depende sempre como caímos, como nos levantamos e como gerimos tudo isso.
A vida é isto mesmo: cair, recuperar e levantar.
As quedas são ensinamentos para que através delas, nos fortalecermos ainda mais. Servem como forma de crescermos, aprendermos e evoluirmos.
É nestas quedas que construímos as nossas próprias escadas e os nossos próprios escudos de defesa. Aquelas escadas a que chamamos de experiências e aprendizagens, às quais nos levarão a grandes conquistas. E fortalecemos os nossos escudos de defesa, para nos aguentar-mos com mais resistência as pancadas que a vida nos vai dando.
É preciso estarmos preparados para saber que cair não significa derrota, mas sim um acidente de percurso na vida daquele que nos permite aprender, levanta, caminhar e sair vitorioso. Não há maior vitória, do que aquela quando nos levantamos da lama de cabeça erguida!
Não importa de onde venham os ventos. Importa como ouvimos a sua voz!

A verdade é que quando levamos uma rasteira da vida, tudo parecia tão certo e tão perfeito e perguntamos então: O que foi que deu errado? O que é que eu fiz de errado?
Na verdade, talvez o errado tenha sido EU. Muitas vezes temos a nossa parte de responsabilidade e em outras situações éramos apenas meros espetadores das circunstâncias, das mudanças e até de fatalidades.
No primeiro momento exponho todas as minhas emoções para fora. Depois vem a indignação e as lágrimas. Fica tudo a nu, despido. Sou totalmente de reação espontânea, depois acalmo e vem o silêncio. Não sou completamente resolvido nesta questão, estou a aprender ainda a lidar com as minhas emoções. Sou sensível e ansioso. Aí vem a tristeza. O corpo dá os primeiros sinais de que me magoei, a parte boa é meu espírito de luta. Quando caio parece que irei ficar ali para sempre, mas em pouco tempo estou de pé e lutando pela vida novamente por mais que me custe, por mais difícil que seja a luta. Sei que tenho que ser mais forte que tudo o que me põe abaixo. O que me falta é receber as nuances da vida com mais serenidade, fazer melhor uso daquilo que já aprendi. Tenho que ser mais paciente, porque tudo tem uma finalidade que na maioria das vezes não é uma ameaça, é o canalizar os meus pensamentos para o meu ponto mais forte que é a vontade de viver e a garra para lutar.

  • Filipe Miguel

Podem acompanhar tudo aqui no blog. Registem-se no blog para seguirem todas as publicações. É totalmente grátis 
Acedam em:
https://filipemiguel.blog

ou através da página Filipe Miguel-Blogger e Escritor no facebook em:
https://www.facebook.com/FilipeMiguel.Escritor/

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: